quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Historia - O Barco


Era uma vez um menino chamado Toninho.
Toninho morava perto de um rio, e por isso, gostava muito de barcos.
Ele sempre fazia barquinhos de papel, mas eles acabavam se desmanchando na água.
Um dia, enquanto caminhava pelas ruas da pequena cidade onde morava, ele viu na vitrine da loja um barco bem bonito, do jeitinho que ele queria.
Toninho entrou na loja e perguntou o preço do barco ao dono da loja.
Era um valor muito alto e Toninho não tinha o dinheiro para comprar ao barco.
Saiu muito triste da loja. Foi no caminho que teve uma idéia. Iria construir o seu próprio barco, mas não de papel, como das outras vezes. Agora ele iria construir um barco de madeira.
Por vários dias, Toninho, juntamente com o seu pai, construiu um lindo barco, o qual ao término foi pintado com cores alegres.
Os olhos de Toninho brilharam de alegria ao ver o belo barquinho colorido. Ficara lindo.
Com todo cuidado, Toninho colocou o barco no laguinho, que ficava perto do rio. E ali, brincava alegremente com o seu barquinho.
Um dia, quando Toninho brincava com o seu barco, veio uma forte tempestade, que levou o barco de Toninho para o rio. Toninho tentou alcançar o barco, mas foiem vão. Aságuas estavam muito agitadas e levaram o barco para longe.
Toninho ficou muito triste. O pai até queria fazer outro barco, mas Toninho queria aquele, porque ele tinha gostado muito dele. Outro barco não seria a mesma coisa.
Toninho ficou a caminhar tristemente pelas ruas da cidade, quando, de repente, ao olhar para uma vitrine de uma loja, viu um barquinho muito parecido com o seu.
Ele entrou na loja e pediu ao vendedor para mostrar o barquinho. Toninho pegou o barquinho nas mãos e examinando-o cuidadosamente, concluiu:
– Esse é o meu barquinho.
O vendedor sorriu para o menino e disse:
– Esse barco pode ser seu, garoto, mas tem que pagar o preço dele.
Toninho, entre lágrimas, tentou explicar o ocorrido para o vendedor. Mas, o vendedor disse que para Toninho ter o barco de volta, ele teria que pagar o valor do mesmo, porque aquele barco agora pertencia à loja.
Toninho saiu da loja muito triste, pensando o que fazer para conseguir o seu barco de volta. Decidiu que iria trabalhar muito, até ajuntar o dinheiro e comprar o barco.
E assim Toninho fez. Por vários dias, Toninho trabalhou incessantemente como entregador, limpador de calçadas, etc. Até que um dia, conseguiu ajuntar o dinheiro para comprar o seu barquinho.
Toninho foi apressadamente a loja, com medo de não encontrar o barquinho. Mas… para a sua alegria, o barco ainda estava lá.
Toninho entregou o dinheiro ao vendedor que lhe deu o barco em troca.
Toninho tomou em seus braços o barquinho, dando um suspiro aliviado, e disse:
-Meu barquinho querido! Você é meu duas vezes. A primeira vez, porque eu te construí e agora, a segunda vez, porque eu te comprei.

Essa história é semelhante a nossa vida. E poderíamos dizer que somos como aquele barquinho. Um dia, Deus fez o homem com muito amor e carinho, mas a tempestade (pecado) separou o criador da criatura. Mas… Deus, o criador teve um plano e através de Jesus Cristo, seu filho, Ele pôde trazer o homem de volta para os braços do criador.

Muitas pessoas ainda andam longe do criador, mas Deus espera ansiosamente para tomá-lo em seus braços amorosos, porque o preço já foi pago através do sangue de Jesus, derramado na cruz por causa dos nossos pecados.

A VIAGEM INESQUECÍVEL DE ANA



Lição simples e objetiva


Ana era uma moça que trabalhava muito, mas quando estava de férias ela aproveitava para viajar e conhecer novos lugares. Então, em uma dessas oportunidades, ela fez uma viagem inesquecível, a um país muito longe daqui. Nesse lugar tinham um costume, e todo o povo cumpria esse costume; não era lei, mas um hábito tão comum que quem não fazia, é que parecia ser estranho. Era assim... eu vou contar:

Todos usavam chapéus muito coloridos todos os dias não importando se fazia sol ou se fazia chuva, se era inverno ou verão, se era noite ou dia. Não importava se iam trabalhar ou passear, se era velório ou se era aniversário. Isso era tão comum ver aquelas mulheres saindo para seu trabalho com enormes chapelões cheios de cores carregando seus filhos indo para creche e as criancinhas com chapéus, às vezes maiores do que a cabecinha delas. Até os homens daquela cidade andavam com aqueles enormes chapéus coloridos totalmente desproporcionais a roupa que usavam, mas alguns tentavam combinar com a cor da gravata que estavam usando.

E quando Ana passeava por lá teve logo que se habituar, pois se sentia um peixe fora d’água. Então ela entrou em uma loja para comprar um e se deparou com o enorme estoque de chapéus e uma enorme variedade de modelos e tamanhos, mas o que mais chamou a atenção dela era o colorido. Todos com cores vibrantes que saltavam os olhos, então perguntou ao vendedor se não teria ali um modelo mais sóbrio com menos cores.
Um preto, por exemplo, para usar em uma noite de gala ou numa noite especial, mas o vendedor a olhou de cima em baixo e com ar de estranheza lhe respondeu;
-Minha senhora, me desculpe, mas aqui e em todo o lugar que procurar isso não vai encontrar .
Então Ana, sem alternativa, saiu dali com meia dúzia para pelo menos poder variar.
Ela sentou-se no banco da praça e ao seu lado sentou-se uma senhora que com um largo sorriso lhe cumprimentou:
– Boa tarde! a senhora ta passeando por aqui ?
Ana respondeu que sim , mas que estava achando os hábitos daquele lugar muito diferentes e queria entender a razão de tudo isso , porque tantos usam chapéus, e de onde veio essa tradição?
E a mulher respondeu:
- Olha é uma estória muito antiga, na verdade até eu me esqueci, meu tataravô que contou pro meu bisavô, que contou pro meu avô e contou pro meu pai, que contou pra mim, mas agora eu nem me lembro mais... eu era tão pequenina, mas o importante é que a gente segue a tradição do nosso povo e ta muito bom assim.
Ana ficou inconformada. Saiu dali e foi perguntando a todos que ia encontrando e conhecendo. Cada um tinha uma estória diferente, mas que em resumo eram estórias alegres e bonitas, mas sem fundamento.

Então Ana foi para o quarto do hotel sentindo-se frustrada e pensava assim: "como esse povo é tolo!" quando sentou a beira de sua cama deparou-se com a sua Bíblia aberta no livro de salmos sobre a penteadeira e se chocou com a sua atitude tão tola quanto a daquele povo, e se perguntou porque tinha mantido esse livro aberto se nem o lia nem o seguia? (Alguém, algum dia tinha dito a ela que era bom.) Por que orar as mesmas palavras de manha e de noite? Por que ir à igreja como se fosse uma obrigação?
Ela não sabia responder.

Então, pegou a bíblia e começou a folhear e repensou sobre a sua vida e se lembrou de que quando era criança sua mãe falava da importância da Palavra de Deus e de Jesus - que ela o havia aceitado como seu absoluto salvador na infância, mas o havia abandonado e preferiu seguir apenas costumes e tradições que foram entrando em sua vida e sem perceber a afastou de Deus. Ela percebeu que estava sendo tão tola quanto aquele povo de chapéus coloridos .

Então Ana leu na Bíblia a carta aos COLOSSENSES 2:8, que dizia assim ;
‘Cuidado que ninguém vos venha a enredar com a sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos o mundo e não segundo Cristo."
Ana entendeu que quando nós recebemos de Deus a salvação temos que ter o cuidado de não deixar a nossa vida cristã se tornar uma tradição ou um costume, mas devemos viver a cada dia cumprindo sim tudo o que aprendemos na bíblia, com amor e com alegria, sabendo que isso agrada a Deus e que essa seja a nossa intenção - glorificar a Deus com nossas vidas .
Então a Ana, naquele dia se reconciliou com Deus, se arrependeu de todo o tempo que andou longe da boa e agradável vontade de Deus , e quando saiu do hotel sem chapéu, é claro, sentiu-se diferente das pessoas mas, não porque não usava um chapéu colorido, o que fazia a grande diferença em sua vida agora era JESUS .


ROM 6;4 " De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida."

autora: Mirian Maria de Oliveira.


Lição objetiva - Um fio de construção




“O meu socorro vem do Senhor, que fez os céu e a terra” (Salmo 121:2).
Textos adicionais: Gálatas 6:8, 9; II Coríntios 9:6.
Material Necessário
1 carretel de linha, branca ou preta..
1 par de tesouras pequenas
1 figura de Jesus em pé
Cola quente

Modo de Preparar

A figura de Jesus deve um pouco maior do que a tesoura; deve também estar presa à tesoura com cola quente, de forma que a tesoura possa ser usada sem danificar a figura.
                                      
Mensagem

(Desenrole a linha do carretel e arrebente a linha com as mãos em várias partes, mostrando aos participantes como ela é fácil de ser arrebentada.)
A linha é como um mau hábito.
(Peça a um voluntário que ajude a provar que os maus hábitos são como a linha. Enrole algumas vezes a linha ao redor dos braços e do tronco do voluntário, acima dos cotovelos.)
Esta linha representa os maus hábitos. Quando temos um mau hábito, como a preguiça, a mentira ou a desobediência tomando conta de nós, devemos orar pedindo forças a Deus para nos livrarmos dele (assim como
fez Davi no Salmo 120:1, 2) e romper o mau hábito. No início, os hábitos são facilmente quebrados.
(Diga para o voluntário tentar arrebentar as linhas ao abrir os braços.(*) Foi fácil. A seguir, dê um número maior de voltas com a linha ao redor de seu corpo, pouco abaixo dos ombros. Assegure-se de que seja realmente um pouco abaixo.)

(*) NOTA:
faça um teste, com antecedência, para verificar a posição em que deve estar a linha a ser arrebentada. Dessa forma, você vai garantir o sucesso dessa atividade.
(Continue a enrolar a linha enquanto fala.) Muitas pessoas dizem: “Posso parar de fumar quando quiser! Posso beber bebidas alcoólicas, mentir quanto quiser e posso parar com esses maus hábitos à hora que quiser.”
Na verdade, com o passar do tempo, todos esses velhos hábitos se tornam cada vez mais fortes e difíceis de nos livrarmos deles.
(Siga enrolando a linha ao redor do corpo do voluntário.)
“Sim, algum dia irei querer romper todos esses maus hábitos!”, a pessoa diz. (Mencione alguns que as crianças conheçam. Peça ajuda a elas também.)
Será que essa pessoa conseguirá romper com os maus hábitos que cultivou por longo tempo? (Peça então ao voluntário tentar romper a linha, mas tendo cuidado de não cortar os braços.)
Vocês não serão crianças para sempre. Irão crescer e os hábitos crescerão com vocês. Alguma vez vocês viram um bêbado? A bebida tornou-se um mau hábito para essa pessoa.
É muito melhor orar como Davi (Salmo 120:1 e 2) do que continuar até estar completamente amarrado pelos maus hábitos.
(Leia Salmo 120:1 e 2.) O voluntário pode permanecer diante da classe com os braços amarrados, mas não deve continuar tentando arrebentar a linha. Então, com a figura de Jesus presa à tesoura, corte todas as linhas que envolvem o voluntário.)
Somente Jesus pode ajudar a romper todos os maus hábitos!

REFLEXÃO
Para Jesus, nada é impossível, desde que você permita que Ele o ajude a fazer todas as mudanças necessárias em sua vida.
Toda mudança de maus hábitos e costumes devem partir do nosso coração. Deve ser uma escolha nossa, após ouvirmos a voz do Espírito Santo.
Quantos gostariam de entregar a vida a Jesus e mudar os maus hábitos ou costumes que cultivaram? Quero ver as mãos!

Autores: Bettie Stubbs & *Marvin Hunt

Recurso Evangelístico - Um Convite Para Morar no Céu!



Texto: Lucas 23:42,43

Objetivo Geral: Evangelístico

Material Necessário: Um convite de casamento com convite individual para festa.

Mensagem: (Após a leitura do texto, dê apenas uma visão superficial do que estava acontecendo. Fale do arrependimento do ladrão...).

Você já deve ter ido a muitas festas de casamento. Há festas muito lindas. E há festas que nem todas as pessoas podem entrar. Há um convite individual. Leia aqui (chame uma criança para ler o convite e mostre-lhe o convite individual para a festa de casamento). O que diz este papel menor? Ah! É a entrada para a festa. A pessoa só entra na festa se tiver este convite pequeno aqui. Há seguranças a na porta que conferem isso tudo. Não adianta tentar entrar sem convite. Os noivos convidam a pessoa, mas a pessoa aceita se quiser. Ninguém obriga o outro a ir a uma festa de casamento.

Você sabia que para ir para o céu também precisa de um convite? Deus é quem mora no céu e é ele quem nos convida para irmos morar no céu com Ele.Mas para irmos para o céu, precisamos pedir para que Jesus entre em nosso coração e o limpe de todas as coisas erradas que fizemos. No céu não entra ninguém, que tenha o coração sem Jesus.



A Bíblia diz em João 3:16 que Deus amou o mundo de uma maneira tão especial que mandou o seu único filho para que todas as pessoas que crerem em Jesus não morra, mas tenha a vida Eterna, ou seja: morar no Céu. Para entrarmos no céu precisamos de um coração limpo. Em muitos casamentos só entra na festa quem tiver o convite. No céu só entra quem tiver o coração limpo.

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

EVANGELISMO INFANTIL - IECF COM TIA HELP

Evangelismo realizado em uma praça no bairro de Guadalupe - RJ


















segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

CARNAVAL!!!














SUGIRO QUE TRABALHE OS FRUTOS DO ESPIRITO








domingo, 25 de janeiro de 2015

Amigos são degraus: Ou faz você subir ou faz você descer



 Para se chegar ao céu, há uma grande escada. O alicerce que nos dá coragem e sustento é Jesus Cristo. Nele, estamos seguros, fundamentados, somente o Cristo pode nos levar ao Pai. 
O corrimão é JESUS que nos mostra o caminho a percorrer e não nos deixa cair. Se nos firmamos Nele, nada nos pode desviar, seu destino é único: O CÉU. 
Os amigos, porém, são os degraus, quando caímos, são eles que amortecem o impacto da queda, sempre estão no compasso de nossas vidas.

Agora para se chegar ao inferno, é fácil demais, basta percorrer o caminho da facilidade, da superficialidade, então tropeçaremos em um falso amigo, cairemos na quina pontiaguda da escada, que leva ao caldeirão do diabo. Detalhe, a escada é rolante e sempre está descendo, para subir de volta não ter jeito.

Quem tem filho adolescente então sabe como é difícil, não podemos tranca-los em casa, assim acabam ficando livres para fazer suas escolhas. E assim, nem sempre essas escolhas são certas.

Quando um "amigo" apresenta, sempre vem com a aparência do bem. Mas o que esse amigo te oferece? REBELDIA, BALADAS, VÍCIOS... isso é ser amigo???Amigo assim só vai mentir pra você, é egoísta.
Ou o seu amigo quer te aproximar de Deus? A verdadeira amizade CUIDA, se preocupa com o principal que existe em você, sua alma. Mas muitas das vezes esses amigos são chatos, caretas. Mas são eles que irão orar por você, te chamar para ir na casa de Deus.

A Bíblia nos orienta sobre a escolha e o tratamento dos nossos amigos. Amigos têm muita influência em nossas vidas: "O justo serve de guia para o seu companheiro, mas o caminho dos perversos os faz errar" (Provérbios 12:26). Por este motivo, a escolha de companheiros é um assunto de grande importância: "Quem anda com os sábios será sábio, mas o companheiro dos insensatos se tornará mau" (Provérbios 13:20). No final de contas, nossas escolhas não envolvem apenas pessoas, mas decidem a nossa direção na vida e na eternidade. Tiago frisou bem este fato quando perguntou: "Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus" (Tiago 4:4).


É fácil escolher mal. Muitas pessoas que não amam a Deus e não respeitam a palavra dele nos oferecem a sua amizade. Às vezes, podemos influenciar tais pessoas pela nossa fé e o exemplo de uma vida reta. O próprio Jesus fez questão de ter contato com pecadores, oferecendo-lhes a palavra eterna da salvação (Lucas 15:1; Mateus 9:10-13). O perigo vem quando não confessamos a nossa fé no meio de uma geração perversa (Marcos 8:38). Ao invés de conduzir outros a Cristo, deixamos as más influências nos corromperem.
Algumas pessoas querem nos induzir a pecar contra Deus. "Filho meu, se os pecadores querem seduzir-te, não o consintas. Se disserem: Vem conosco, embosquemo-nos para derramar sangue, espreitemos, ainda que sem motivo, os inocentes; traguemo-los vivos, como o abismo, e inteiros, como os que descem à cova; acharemos toda sorte de bens preciosos, encheremos de despojos a nossa casa; lança a tua sorte entre nós; teremos uma só bolsa. Filho meu, não te ponhas a caminho com eles; guarda das suas veredas os pés; porque os seus pés correm para o mal e se apressam a derramar sangue" (Provérbios 1:10-16). Infelizmente, observamos a mesma tragédia espiritual na vida de muitas pessoas hoje.

Quantos jovens são induzidos a usar drogas, ou até de se tornar traficantes, pela influência de "amigos"? Quantos se integram a gangues e acabam cometendo vários tipos de crime?
Algumas amizades precisam ser totalmente evitadas:"Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores" (Salmo 1:1). Quando outros querem nos conduzir ao erro, precisamos sair correndo: "Foge da presença do homem insensato, porque nele não divisarás lábios de conhecimento. A sabedoria do prudente é entender o seu próprio caminho, mas a estultícia dos insensatos é enganadora. Os loucos zombam do pecado, mas entre os retos há boa vontade" (Provérbios 14:7-9).

Alguns dos amigos mais perigosos são aqueles que sempre concordam conosco, apoiando-nos mesmo nas coisas erradas. "Melhor é ouvir a repreensão do sábio do que ouvir a canção do insensato" (Eclesiastes 7:5). O amigo verdadeiro nos corrige, e a pessoa sábia procura ter amigos com coragem e convicção para a repreender quando for necessário. Por outro lado, o insensato evita pessoas que corrigem e criticam, procurando aprovação acima de sabedoria. "O escarnecedor não ama àquele que o repreende, nem se chegará para os sábios... O coração sábio procura o conhecimento, mas a boca dos insensatos se apascenta de estultícia" (Provérbios 15:12,14). Ninguém gosta de ser corrigido, mas todos nós precisamos de amigos que nos amam tanto que mostram os nossos erros: "Melhor é a repreensão franca do que o amor encoberto. Leais são as feridas feitas pelo que ama, porém os beijos de quem odeia são enganosos" (Provérbios 27:5-6).


Uma vez que escolhemos bons amigos, devemos ser bons amigos! As Escrituras nos aconselham sobre as responsabilidades de companheiros fiéis. Amigos contam com a presença uns dos outros: "Mais vale o vizinho perto do que o irmão longe" (Provérbios 27:10). "O olhar de amigo alegra ao coração; as boas-novas fortalecem até os ossos" (Provérbios 15:30). Por outro lado, não devemos abusar da amizade, causando aborrecimentos: "Não sejas freqüente na casa do teu próximo, para que não se enfade de ti e te aborreça"(Provérbios 25:17). Não devemos abandonar nem trair os nossos amigos (Provérbios 27:10). Amigos verdadeiros não são interesseiros, mas aqueles companheiros fiéis que ficam nos bons tempos e nos maus: "Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão" (Provérbios 17:17). A amizade verdadeira traz benefícios mútuos: "Como o ferro com o ferro se afia, assim, o homem, ao seu amigo" (Provérbios 27:17).
As orientações bíblicas são valiosas para nos guiar em fazer e manter boas amizades.
                              

Quando se trata de amizade, devemos valorizar qualidade, e não quantidade: "O homem que tem muitos amigos sai perdendo, mas há amigo mais chegado do que um irmão"(Provérbios 18:24).

Pode ser, que esteja na hora de você passar a peneira da fidelidade e lealdade em suas amizades, para ver quem passa no teste. Tenha coragem, quem não passar nesta peneira, por favor, não exite, afaste de seu círculo de amigos, será um grande bem que você estará fazendo a si. 


OBS> escrevo isso, por estar vivenciando essa situação.

10 MANEIRAS DE AFASTAR SEU FILHO DE DEUS E DA IGREJA



1 Diante das menores dificuldades, tais como indisposição, chuva, frio, cansaço, não vá aos cultos. Com isso, seu filho vai crescer com a ideia de que frequentar as reuniões não é assim tão necessário. 

2 Quando estiver à mesa ou em reuniões de família, faça comentários ou críticas ao ensino do pastor ou dos líderes. Com isso, seu filho crescerá não tendo respeito por eles, nem dando créditos aos seus ensinos.
3 Cuide para que seu filho cresça em um lar que não seja diferente de qualquer outro não cristão. Afinal, que valor há em aplicar princípios da Palavra de Deus a todos os aspectos da vida familiar?

4 Gaste diante da TV e na internet todo seu tempo que passa em casa ao invés de separar parte dele para a leitura da Bíblia, devoções em família e oração. Basta apenas orar na hora das refeições. Com certeza, seu filho aprenderá que estudar a Palavra de Deus não tem tanto valor para você.

5 Fale mal da vida dos outros irmãos em Cristo; depois, ao encontrá-los na igreja, cumprimente-os com um largo sorriso. Com isso, seu filho terá a impressão de que a vida cristã é pura hipocrisia, e não desejará o mesmo caminho.

6 Nunca fale ou ressalte pontos importantes das leituras bíblicas e da mensagem do pastor com seus filhos e amigos. Assim seus filhos perceberão que a Bíblia e a mensagem de Jesus devem ser ouvidas, mas só na igreja.

7 Tire férias do trabalho e viaje sem se importar com a possibilidade de participar de cultos durante a viagem ou ler a Bíblia. Assim seus filhos entenderão que diversão, férias, descanso e Deus não combinam.

8 Quando as visitas chegarem, leve-as ao parque, ao centro da cidade, ao cinema, ao shopping, mão não as leve aos cultos. Assim seus filhos compreenderão que a igreja não é o lugar para levar amigos.

9 Quando for ofertar, nunca comente com seus filhos que isso é um ato de gratidão em resposta ao amor e a ação de Deus em sua vida; que esse valor serve também para manter o trabalho da Igreja. Assim eles entenderão que até Deus “cobra taxa” pelos serviços religiosos.

10 Quando você tiver algum desentendimento com familiares ou vizinhos, nunca busque na Bíblia ou no aconselhamento cristão a solução do problema. Jamais diga: “preciso perdoar esta ou aquela pessoa, pois Jesus me perdoou primeiro para eu também poder perdoar os outros”. Assim seus filhos entenderão, com muita facilidade, que Jesus não tem experiência nem orientação para lidar com pessoas difíceis.

LEMBRE-SE: “Eduque a criança no caminho em que deve andar, e até o fim da vida não se desviará dele” (Pv 22.6). E não esqueça de que Jesus Cristo sabe que você precisará do seu amor, do seu perdão e da sua orientação para cuidar destes presentes (seus filhos) que Deus lhe deu. 


Adaptação Pastor Carlos KrackeDescrição: ganhar dinheiro na internet

CORRIGIR É AMAR

OQueNaoFazUsoDaVaraOdeiaSeuFilho



Assim diz a sabedoria do Provérbios 13.24 (Almeida Corrigida Fiel). “Odiar” certamente soa forte aos ouvidos modernos. Em hebraico o termo é “śânê’”. Em Provérbios, ele é usado 25 vezes para mostrar a atitude daquele que desprezou o conhecimento (1.22, 29) e a disciplina (5.12), a atitude de desprezo e rejeição de Deus para com o pecado (6.16), a atitude do homem piedoso para com o pecado (8.13) e outros usos. Veja que em Provérbios 13.24 o termo é contrastado com amar. Ou seja, o texto diz que quem ama seu filho tem uma atitude (disciplinar fisicamente) e quem não faz isso, tem o sentimento oposto ao amor: desprezo, ódio.


Eu amo meu filho, jamais bateria nele


Mas alguém pode falar: “Odiar meu filho? Eu não bato nele porque o amo! Como eu  poderia infligir dor a ele?” John Piper, no vídeo abaixo, entende que essa concepção é fruto da cultura atual e que ela não considera que o próprio Deus nos disciplina através da dor (Hebreus 12).

Porém, não é só isso que Provérbios fala sobre o uso da vara. Provérbios 29:15 afirma que “A vara e a repreensão dão sabedoria, mas a criança entregue a si mesma, envergonha a sua mãe”; e é justamente a consequência dessa sabedoria proverbial que a Suécia está enfrentando, na prática, hoje em dia, por proibir as palmadas: uma geração de crianças mimadas.



Cabe ressaltar que a defesa da palmada não é uma defesa do abuso físico. Como John Piper diz, “Bater é uma aplicação controlada de um ato não danoso de dor branda que faz a criança ver a seriedade do que ela fez”. Além do mais, é importantíssimo ressaltar que a base da educação de filhos cristã não está na disciplina corretiva (vara), mas formativa (ensino e diálogo):

“Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR.  Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força. Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te.” (Deuteronômio 6.4-7)

“Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele.” (Provérbios 22.6)

Nas próximas semanas, postaremos trechos do livro Não me Faça Contar até Três!, de Ginger Plowman, mas se você é um pai ou uma mãe e gostaria de aprender mais sobre como educar seus filhos no caminho do Senhor, recomendamos estes livros:

Não me Faça Contar até Três!
Pastoreando o Coração da Criança
Instruindo o Coração da Criança
O que Estão Ensinando aos nossos Filhos?

Por Vinícius Musselman Pimentel © 2014 Voltemos ao Evangelho. Original: O que não faz uso da vara odeia seu filho

sábado, 24 de janeiro de 2015

Personagens para contar histórias

Basta imprimir, cortar e usar. Caso queira deixar melhor, cole na cartolina e depois use o contact.
 Assim ficarão mais firmes e resistentes.














terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Importância de trabalhar com e por amor




Queridas Tias essa matéria é muito séria, nela poderão entender que trabalhar com criança não é obrigação, imposição e sim tem que ser por amor.

Já pensou ouvir da boca de Deus isso:


O amor de Deus por uma criança é algo lindo e grandioso, não entendo como muitos ainda não entendem isso.


Quando ignoramos as crianças nos tornamos responsáveis pelas consequências ruins que as cercam...

“Até a criança mostra o que é por suas ações; o seu procedimento revelará se ela é pura e justa.” (Provérbio 20.11)

Irei fazer umas perguntas e você responderá dentro de você.
Como você receberia o Senhor Jesus?
Como você recebe sua criança?
Por que você esta no Ministério Infantil? Esta porque gosta, porque alguém colocou....

IPC.  Se você estiver sem vontade, com vergonha de sair, pois foi alguém que ofereceu e você não sabe dizer não....

Saia imediatamente, pois você vai atrapalhar e não ajudar e olha o que o Senhor Jesus diz em Mateus 18.6

Mas, qualquer que escandalizar um destes pequeninos, que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó de azenha, e se submergisse na profundeza do mar.




A fome do diabo pelas crianças é insaciável. Ele sabe o potencial dos pequeninos, por isso tenta impedi-las de conhecerem a Jesus.

Ao ganharmos uma criança para Deus, ganhamos uma vida inteira, já um adulto ganhamos uma alma.

Chega de desprezá-las! As crianças são membros do corpo de Cristo. É tempo de investir no ministério infantil, em obediência a palavra de Deus: “Ide, por todo mundo e pregai o evangelho a toda criatura” (Marcos 16.15). Toda criatura, inclui as crianças.

Pense assim: Qualquer coisa que eu faça, farei bem porque a faço para o Senhor, não para a aprovação dos outros. Col. 3:23

Nossas crianças estão precoces, parece que a inocência está acabando mais cedo. A mídia é fortemente explorada pelo inimigo, sendo uma forte aliada para destruir a infância. Não é fácil! As pressões sempre foram e serão grandes, mas “maior é o que está em vós, do que aquele que está no mundo” (I João 4.4).


Então, Deus conta com cada uma de nós para resgatar essas crianças.
Deus pode contar realmente com você???


Que Deus abençoe!

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

RECICLAGEM - Mascaras com prato de papel

Vai trabalhar a criação ou arca de Noé...
Aqui vai mais sugestões para você fazer com seus alunos e deixar tudo mais lindo.
Tenho certeza que eles vão gostar muito!